sábado, 28 de fevereiro de 2015

Erros e acertos, uma visão pessimista ou realista de nós mesmos?

A distância entre o erro e o acerto pode estar na forma em que vemos e interpretamos as coisas, portanto, você pode estar mais próximo de um ou de outro, isso só depende da sua compreensão do que é certo e errado, ensinamento que nos é transmitido desde a nossa infância. Numa iminência de guerra, a coisa se processa dentro desse contexto, pois o erro e o acerto são parentes bem próximos. Tomar decisão sobre continuar em conflito, porém em paz ou iniciar uma guerra devido às circunstâncias do nosso passado não tão glorioso ou patriota, dependerá sempre do ponto de vista em que se vive ou do que se pretende como alvo maior. Nas guerras passadas quando se descobriu que elas eram um ótimo “investimento financeiro” e traziam riquezas para os grandes e desgraça para os demais, decidiu-se que o erro era a decisão mais acertada, com isso as guerras trouxeram consequências desastrosas e dolorosas para muitos. Lembre-se, toda guerra traz dor, seja pessoa com pessoa, região com região ou nação contra nação.
De tempos em tempos travamos uma guerra chamada ELEIÇÕES, nela percebemos interesse financeiro de sobra, neste tipo de guerra, não se lança mão de armas de fogo, há, porém, uma arma poderosa chamada Marketing, ele pode ser usado para apresentar uma ótima imagem pessoal ou para destruir a imagem de uma pessoa e todo o prestígio que até ali ela tinha. Diante dos nossos olhos estarão candidatos ao serviço público que de prestígio tem pouco ou nenhum e mesmo assim se apresentam como os mais aptos a exercerem o cargo público ao qual se candidataram. Por pouco não se apresentam como “anjos de luz” e justificados por um ideal maior, porém, a maioria deles já tomou ações e decisões políticas que, se não estivéssemos no Brasil, seriam imperdoáveis. Agiram por si e para os seus, na palavra “seus” exclua-se o povo, pois não está contido nela, nem nas intenções dos nossos fiéis candidatos.  Nesta guerra, porém, onde uns travam lutas contra outros, tentando denegrir a imagem de quem estiver à sua frente, não importando os meios e sim o objetivo principal (VENCER), e se for alcançado, prejuízos incalculáveis poderão recair sobre o derrotado que normalmente não é o candidato até ali adversário e sim o povo que deverá sempre sofrer com as consequências do erro praticado. Um grande e fiel exemplo disso está nos fiéis eleitores da Nossa querida Presidenta Dilma, a maioria deles já declarou ter se arrependido do que fez. Tarde demais. Agora não apenas eles, mas o Brasil inteiro precisará arcar com as consequências desastrosas que poderão nos “contemplar”.

Na guerra das eleições, a diferença entre o erro e o acerto é apenas uma, raramente existe o acerto.

O erro e o acerto caminham juntos, um à nossa direita e outro à nossa esquerda, porém muitas vezes não sabemos quem está à direita e quem está à esquerda. É fácil praticar um erro crendo que é um acerto, o oposto também é verdadeira, pois também deixamos de praticar o certo, crendo que na visão de outros aquilo é um erro.

No cristianismo é assim, muitos deixam de aceita-lo e praticá-lo, porque seus amigos e familiares vão dizer que é um erro, e a pessoa cede ao que é certo e continua naquilo que é errado, o oposto deveria acontecer, amigos e familiares tinham o dever de dizer que ele estava indo bem, mas preferem que continue tão errado como eles apenas para que permaneçam juntos. Isso é como Dizer: - Morra conosco, mas não viva sozinho! Ou - Permaneça conosco nessa miséria de vida, mas não cresça sozinho. Acabam esquecendo que o que é certo no Cristianismo é para todos, ninguém tem que seguir sozinho ou permanecer no erro porque o outro já encontrou o caminho certo, esquecem que este caminho tem mão única e há espaço para todos passarem, não há engarrafamento ou pedágio a ser pago, aliás, se há pedágio, ele se chama arrependimento que causa mudança da direção errada para a certa, levando ao caminho correto que não engarrafamento nem pedágio....

Erro ou acerto qual é o nosso destino? Nascemos com facilidade em praticar o erro, nossa imperfeição nos leva a isso, mas temos muita tendência a fazer o que é certo, porém fazer o que é certo apenas por fazer, isso ainda não é o suficiente, é preciso ter fé. A fé com obra é vida!
Não perca tempo, creia em Jesus Cristo que morreu no seu lugar;
Mude da direção errada para a certa;
Faça o que é certo por Amor;
Amor ao próximo;
Amor a si mesmo;
E principalmente:
Amor a Deus;
Erro e acerto continuarão bem pertos;
Mas a partir daqui, você saberá discernir um do outro.

Não foi Abraão, nosso antepassado, justificado por obras, quando ofereceu seu filho Isaque sobre o altar? Você pode ver que tanto a fé como as suas obras estavam atuando juntas, e a fé foi aperfeiçoada pelas obras. Tiago 2:21-22

Respondeu Jesus: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim. João 14:6

Ensina-me o teu caminho, Senhor, para que eu ande na tua verdade; dá-me um coração inteiramente fiel, para que eu tema o teu nome. Salmos 86:11
Escolhi o caminho da fidelidade; decidi seguir as tuas ordenanças. Salmos 119:30


Um grande abraço,

Joelson Z


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário