sexta-feira, 3 de junho de 2011

Feridas

"Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniqüidades: o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”. (Isaías 53: 4,5). 

Recentemente eu gravei uma mensagem em vídeo que também chamei de “feridas” (clique no nome para ver o vídeo), na época estava entre amigos em uma praia, levei um “belo caixote” que deixou um “pedaço” do meu ombro com a cor do sangue, ali mesmo, vendo a oportunidade, gravamos a breve mensagem. Ontem, ao olhar para o meu ombro para ver a cicatriz precisei fazer um esforço, pois aos poucos está sumindo. Voltei ao tempo e pensei nas feridas que Jesus recebeu quando foi castigado pelos soldados romanos, estes, usavam instrumentos que rasgavam a sua pele (IMAGINE A DOR QUE JESUS SENTIU!), depois de ter sido maltratado, ele ainda foi levado a uma cruz de maldição onde foi crucificado, tudo isso, não tendo ele culpa alguma “ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniqüidades”. O castigo que era nosso Ele tomou sobre si. A dor de Jesus foi muito mais intensa e profunda, pois além dos cortes causados pelos instrumentos de tortura e dos cravos que o prenderam na cruz, Jesus sentiu a dor espiritual que era nossa para que nós tivéssemos paz com Deus “o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados”. 

Hoje em dia temos feito pouco caso do sacrifício de Cristo por nós. Cada ato errado que cometemos, é como se fosse um novo cravo que pregamos em Cristo. Precisamos nos arrepender dos maus caminhos que temos seguido e nos voltar de vez para Deus, assim o sacrifício de Jesus terá valido a pena. 

Que tal fazer isso agora? 

Entrega o Seu caminho ao Senhor! 

“Buscai ao Senhor enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto” (Isaías 55.6) 

Para refletir: 

O pregador: 
Tenho pregado Cristo...

Todas vezes no erro praticado, 
Cristo, tenho pregado. 

Se mal vou desejando, 
Cristo Continuo pregando. 

A inveja sentindo ou ganância ansiando, 
Cristo sigo pregando. 

Tanta tristeza e dor, ao Mestre venho causando; 
Tudo isto, até quando? 

Escrito por: 

Video Sugerido:

Um comentário:

Artes e escritas disse...

Joelson, gosto de ler os seus estudos. Agora estou cuidando com carinho do blog. Obrigada pela visita. Um bom domingo. Abraço, Yayá.

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário